ela é tão tri…

6 04 2012

ela é tão triste. eu, ser o que sou – feliz desde que nasci, uma vez que assim o pediu a deus quando me disse olá – basta-lhe para parecer não triste. digamos que passa a ser amor, mas não é propriamente feliz ou alegre ou contente. continua a ser triste, continua a ver através das coisas, como se soubesse exactamente naquilo em que tudo se vai tornar: um nada pestilento mau e feio e triste e insensível, sobretudo, sem sensibilidade, ou seja, sem qualificações ou respirações possíveis. e isso passa a ser triste e a alimentar a sua tristeza, por trás dos olhos magoados que tem nas fotografias de vestidos de renda brancos e cabelos longos de cinco anos.

 

eu amo e dou -lhe amor: nem sempre lhe toca, nem sempre sai dos meus dedos, às vezes nada sai outras precisamente um som oposto ao do amor que sinto. mas amo-a mais do que o tamanho do que sonho. mas ela é triste e quer na mesma o meu amor. não fica feliz nem alegre: fica amor, fica ela, fica uma só e completa e existe e sente-se a existir mesmo que triste.

Anúncios

Acções

Information

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s




%d bloggers like this: