30 03 2009

Quando eu morrer,
Os meus versos, todos que encontrares,
Sem escrúpulo algum, corre a rasgar.
Porquê, vou-te dizer:
São sentimentos, rimas de tristeza,
Que o coração ditou.
Têm, talvez um pouco de beleza,
São histórias da vida que passou
E, se quiseres, algumas pessoais;
Mas, no fundo, a todas são iguais
E delas pouco o mundo se interessou.
E, depois, na língua portuguesa,
Aonde a poesia é realeza,
A minha não riscou.
Rasga-os, pois, em pedaços pequeninos,
Assim como se fosse «confetti»,
P’ra que, num carnaval que já não vi,
Possam ser lançados por meninos
Na lama das ruas da cidade,
Servindo assim de gáudio à mocidade.
Ou então, talvez melhor:
Fá-los em cinza, mas não a dês ao vento,
Para quê o mundo saber o meu lamento
Ou ir troçar e rir da minha dor?
……………………………………………………………….
Compra um cofre igual àquele que guarda
As cartas que escreveste apaixonada.
Será, será melhor!
Coloca-o, depois, no meu caixão
E, se puderes, bem junto ao coração,
Embora já parado e sem amor.
………………………………………………………………
Será, na vida, de tantos que te devo,
– Por isso o escrevo – o último favor.

José Manuel Pyrrait

Entardecer

 

(retirado de lugaresmalsituados (ali nos links))

Anúncios

Acções

Information

One response

2 04 2009
Daniela

Olha…muito lindu…tou super comovida…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s




%d bloggers like this: